Paulão? Quem é o Paulão?

Minha foto
Vespasiano, Sudeste/Minas Gerais, Brazil
Professor, Geógrafo, pai, um cara muito família, adora conversar com os amigos e um apaixonado pela sua profissão.

terça-feira, 18 de maio de 2010

SOU PROFESSOR COM MUITO ORGULHO E COM MUITO AMOR.

Estive muito angustiado neste fim de semana. Ao me deixar levar pela fala da mídia e do governo, cheguei a acreditar que nosso movimento de greve que já é histórico estava próximo do fim. Ao participar da reunião do comando de greve no dia 17/05/2010, com meus nobres companheiros, fui para minha casa com uma certa angústia, acreditando que nossa greve já não era mais sustentável. Infelizmente não participei da Assembléia, pois estava trabalhando no mesmo horário, mas como alguns políticos dizem "meu coração estava lá".

Fiquei muito orgulhoso e até emocionado por saber que o grito de aproximadamente 20 mil MESTRES E OUTROS NOBRES EDUCADORES ecoaram na praça da Assembleia e pelo centro de nossa capital, mais uma vez e em mais um belo ato de bravura.

NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃOOOOOOO! sem conquistas reais, sem retorno as escolas!

Vamos mostrar ao governo e a esta mídia podre, que juntos somos a categoria de maior representatividade política de nossa galáxia.

VIVA A VERDADEIRA REVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO MINEIRA.

5 comentários:

  1. Professor, irmão, porque leciono História que é irmã da Geografia.
    Há momentos em que os obstáculos que se nos deparam pelo caminho quase nos fazem submergir na maré do pessimismo. Mas quando a gente sabe que somos milhares em luta por uma causa nobre, criamos coragem.

    Aceite a solidariedade deste seu colega que leciona na EE Deputado Patrús de Sousa, Carandaí MG SRE de Barbacena.

    Atenciosamente João Paulo.

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo Paulão foi um dos movimentos mais lindos que o profissional da educação pode proporcionar ao governo e ao povo mineiro. Uma aula de cidadania,respeito,organização, coesão da classe e a prova de um Sindicato bem articulado,atuante,comprometido e convicto das nossas necessidades.Sem me esquecer de elogiar o nosso colega Euler que deu um banho de bravura e arrancou aplausos e a confiança dos colegas presentes.Foi lllllllllliinnnndddddoooooooooo!Bjs

    ResponderExcluir
  3. Isso aê Paulão.. Dá mole naum...

    = D

    ResponderExcluir
  4. Eu como estudante sinto orgulho de ter como exemplo professores combativos e propóstos a muita luta para galgar a melhoria do sistema educacional. Que haja o aumento salarial digno, que haja o meio passe para os estudantes e acima de tudo, que haja uma educação de qualidade gratuita. Viva a Revolução!!!

    ResponderExcluir
  5. João Paulo Ferreira de Assis26 de maio de 2010 20:58

    Professor Paulo Miquéias. Estou preocupado, porque Vossa Senhoria não postou mais. É preciso que os laços que nós contraímos com os companheiros de todo o Estado não se rompam. É preciso que mantenhamos nossa solidariedade. Sei que foi uma decisão difícil. Abstive-me porque percebi que ambas traziam em si prejuízos para nossa classe. A proposta vencedora é a menos pior. A comissao é um fio de esperança. Ela irá propor um projeto de lei. O caso é a Assembleia Legislativa votá-lo em tempo hábil. Por outro lado, se mantivéssemos a greve, o que poderia acontecer? As negociações se romperiam. Os substitutos estariam a tomar posse das nossas cátedras, e talvez juízes de 1ª instância (devidamente provocados pelo Ministério Público) nos intimassem a voltar. E aí voltaríamos constrangidos, e ficaria patente para todos que voltamos porque então seríamos presos. Foi melhor termos voltado por livre e espontânea vontade do que constrangidos por um juiz.
    O caso agora, professor, é estarmos atentos às reuniões da Comissão, votação da Assembleia, e sem sombra de dúvida, estarmos presentes quando os deputados estaduais votassem a lei do orçamento para 2011. Professor, força, que a guerra não está perdida. É mister lutar.

    João Paulo Ferreira de Assis, Professor de História da EE Deputado Patrús de Sousa, Carandaí, SRE de Barbacena.

    ResponderExcluir